EXO RESIDÊNCIAS

2003-2006

Algumas notas: ainda sobre exo experimental org.

Marcio Harum

2013

Se não fosse pela realidade trazida por exo residências, não haveria se iniciado aprofundadamente no primeiro período do século 21 discussão alguma acerca da importância dos programas de residência artística na cidade de São Paulo. E exo foi bem mais do que isso. De 2002 a 2007, com sua sede baseada no edifício Copan (esse cartão-postal de concreto posto no centro da cidade como um ícone arquitetônico e metropolitano superdimensionado por excelência desde a sua construção), além de exo experimental org. ter fundado novos lugares de pensamento e formas de investigação em contato e ao redor do espectro de atividades desenvolvidas a partir de seu endereço físico, fez gerar visibilidade a manifestações; e a outros circuitos possíveis, que ecoam sem dúvida, até o presente momento.

Ao longo de seu curso de duração, exo agenciou intencionalmente experiências urbanas contemporâneas associadas à vinda de quase trinta residentes: artistas, curadores, cineastas, escritores, arquitetos, pesquisadores de diversas áreas de estudo e países, com apoios concedidos pelas instituições internacionais atuantes na cidade da época, criando assim um mapa único de cooperação e fomento ao pensamento sem fronteiras.

Estruturalmente, sob uma espontânea perspectiva urbanística à respeito do lugar que exo ocupava na vida cultural da cidade, o estímulo a princípio das pesquisas de campo (field trips), conduzidas por parte de seus colaboradores, visitantes e convidados, era voltado ao contexto sócio-político do entorno. O propósito era a ativação decorrente das práticas estéticas de natureza extra-disciplinar, originadas pelos acontecimentos cotidianos e da vida coletiva em escala macro-pericêntrica da cidade de São Paulo.

O grande mérito do arquivo exo é reunir online os seus mais legítimos projetos e apresentações, que foram realizados durante sua existência no edifício Copan, ao sobrepor vozes e memórias em circulação, podendo guardar assim os efeitos simbólicos de suas ações até os dias de hoje, só para citar algumas delas: a biblioteca do escritório exo (uma das mais instigantes e abertas ao meio de pesquisa de então), a exposição a respeito de SITUAÇOES REAIS, sobre práticas documentárias (Paço das Artes, 2003), São Paulo S.A.- Situação #1 (edifício Copan e outros locais, 2002), a conferência e tradução de A partilha do sensível do filósofo francês Jacques Rancière (SESC Belenzinho/ Editora 34, 2005), a publicação Guia do Copan (em colaboração com o editor Pablo León de la Barra, 2006), a visita do comitê curatorial da 27a Bienal de São Paulo ao escritório central (2006), entre outras.

Vista da residência, ed. Copan, 2005. Foto: Victor Costales/exo

Av. Consolação, vista do ed. Copan, 2005. Foto: Victor Costales/exo

Marcio Harum é curador e crítico. Vive e trabalha em São Paulo.

© 2013 arquivo exo e o autor